English opens doors – Alguém ainda duvida?

English opens doors – Alguém ainda duvida?

13/02/2017 16:20:00    |    Intercâmbio de Estudo
12

Hoje em dia, uma multinacional não pergunta ao candidato a uma vaga se ele (a) possui conhecimentos de computação. Presume-se que quaisquer candidatos a um cargo  na maioria das grandes corporações já possua este domínio. Em breve, muito breve, uma empresa não mais fará a pergunta: “Você sabe se comunicar em Inglês”?; ou seja, essa habilidade será considerada natural e óbvia a aqueles que buscam vaga no mercado de trabalho.

 

Em meio a tantas tecnologias, informações e inovações constantes no Agro e em nossas vidas, nosso tempo se torna reduzido para aprender um idioma. Fatores como distâncias, horários, boas escolas de idiomas, timidez, insegurança, etc., podem desmotivar o aprendizado desse idioma.  No entanto, não resolve usar isso como justificativa, pois as gerações atuais gostam de desafios.

 

O profissional do Agro deve ter a consciência de que o Inglês é uma ferramenta útil e valiosa. Conectar-se com pesquisadores renomados, fazendeiros progressistas no Cinturão Verde dos EUA, criar um networking internacional ou assistir a uma vídeo conferência ou webinário em Inglês, são recursos valiosos a um profissional do Agro! É um diferencial dentro de uma corporação. É uma experiência ganha-ganha: Você se sente importante à sua corporação. Sua corporação lhe considera útil ao trazer informação e relacionamento para dentro de sua empresa. 

 

Claudio Resta | Agrônomo | Coordenador Comercial

Agrônomo graduado e Pós Graduado em nível de Mestrado pela UEL – Universidade Estadual de Londrina, atuou por 17 anos em Pesquisa e Desenvolvimento com Agroquímicos, no Brasil e Mercosul. Claudio é natural de Ourinhos SP, mas reside em Londrina PR onde ministra aulas de Inglês no ICBEU há mais de 20 anos.  Claudio também trabalhou muitos anos no turismo de lazer em Grupos Disney, no departamento operacional (coordenador) e em promoção de vendas. Desde 2009 atua como Guia-Coordenador de grupos da CAEP nas Viagens e Missões Técnicas no Agronegócio e desde 2014 é colaborador da CAEP como Executivo de Contas promovendo Intercâmbio Agrícola nas Universidades de Ciências Agrárias do Sul e Sudeste.